19.12.11

CreepyPasta



*escondida sob um edredom* Olá minna'...
Bem, hoje eu passei a tarde quase toda lá no Medo B só lendo algumas creepypastas. Eu reencontrei uma do Bob Esponja chamada Red Minst eu acho (recomendo não pesquisar!) eu dei o play no video mas pausei na mesma hora.
Pois é, sou MUITO medrosa!
Bem, eu até estava pensando em começar a postar essas coisas aqui no blog... Mas infelizmente ainda não estou preparada emocionalmente para isso. Gomen' ^^'

Bem, para não deixar os amantes de CreepyPasta (que na minha opinião, tem probleminha ¬¬) tristes, vou postar algumas logo abaixo.
Mas vou logo avisando que são bem leves okey? ó.ò (Se alguém achar alguma muito medonha, saibam que tem muito piores!)

A Carta
"Em Berlim, após a Segunda Guerra Mundial, havia pouco dinheiro, os suprimentos estavam acabando, e parecia que todos estavam com fome. 
Nesse período, as pessoas contavam uma história que uma jovem moça que viu um cego andando dentre uma multidão. Os dois começaram a conversar. O homem perguntou se ela poderia fazer um favor para ele: "Pode entregar essa carta para o endereço que está escrito no envelope?" Bom, o lugar era caminho para sua casa, então ela concordou. 
Ela começou seu caminho para entregar a mensagem, quando ela se virou para ver se tinha mais alguma coisa que o cego queria ela percebeu que ele estava correndo pelas pessoas sem seus óculos escuros e bengala. Ela então, naturalmente, achou suspeito, então foi para a polícia. Quando a polícia foi visitar o endereço, eles fizeram uma descoberta repugnante, três açougueiros estavam pegando carne humana e vendendo para as pessoas famintas. 
E o que estava escrito na carta que o homem deu à moça? Uma nota, dizendo apenas: "Esse é o último que eu mando para vocês hoje"

****************************************
Pulseira Vermelha
Quando você está internado em um hospital, colocam em seu pulso uma pulseira branca com seu nome. Mas há outras diversas pulseiras coloridas que simbolizam outras coisas. As pulseiras vermelhas são colocadas em pessoas mortas.
Houve um cirurgião que trabalhava no turno da noite em um hospital-escola. Ele tinha acabado de uma operação e estava indo ao porão. Ele entrou no elevador e lá estava uma outra pessoa . Ele conversou casualmente com a mulher, enquanto o elevador descia. Quando a porta do elevador se abriu, uma outra mulher estava prestes a entrar quando o médico bateu o botão para fechar e apertou o botão para o andar mais alto. Surpreendida, a mulher repreendeu o médico por ser rude e perguntou porque ele não deixou a outra mulher entrar
O médico disse: "Eu operei essa mulher. Ela morreu quando eu fazia a operação. Será que você não viu a pulseira vermelha que estava com ela?"
A mulher sorriu, levantou o braço e disse: "Igual essa aqui?"

*************************************
(Sem Nome)
A alguns anos atrás uma amiga minha, que é uma fotógrafa viajadora, decidiu passar um dia e uma noite sozinha na floresta fora de nossa cidade. Ela queria tirar fotos das árvores e da vida selvagem o mais natural que conseguisse para prencher seu portofólio. Ela não tinha medo de ficar sozinha, já que tinha acampado várias vezes antes. Ela montou a cabana no meio da floresta e passou o dia tirando fotos. Ela completou 4 rolos de filme nessa viagem, mas quando ela revelou as fotos viu uma foto que a deixou aflita: eram três fotos tiradas de dentro de sua barraca, dela, dormindo no meio da noite.

************************************
V
Em um dia na escola, um garoto chamado Bruno estava sentado em sua classe durante a aula de matemática. Faltavam seis minutos para a aula terminar. Enquanto ele fazia os exercícios, uma coisa chamou sua atenção. 
A carteira dele era ao lado da janela, ele se virou e olhou para o pátio do lado de faro. Tinha algo que parecia uma foto jogado no chão. Quando a aula acabou, ele correu até o lugar que ele tinha visto a foto. Ele correu o mais rápido que podia para que ninguém pegasse ela antes dele. 
Ele pegou a foto e sorriu. Na foto havia a imagem da garota mais linda que ele tinha visto. Ela tinha um vestido apertado e uma sandália vermelho, seu cabelo era ondulado e sua mão direita tinha um sinal de "V" formado com os dedos indicador e médio. 
Ela era tão linda que ele a quis conhecer, então ele percorreu toda a escola perguntado para todos que passavam se alguém já tinha visto aquela garota. Mas todos respondiam "Não". Ele estava arrasado. 
Quando chegou em casa, ele perguntou para sua irmã mais velha se ela a conhecia, mas infelizmente ela também disse "Não." Já era tarde, Bruno subiu as escadas, colocou a foto na cabeceira de sua cama e dormiu. 
No meio da noite Bruno foi acordado por um barulho na janela. Era como uma unha batendo. Ele ficou com medo. Após as batidas ele ouviu uma risadinha. Ele viu uma sombra próxima a sua janela, então ele saiu da cama, ele andou até a janela, abriu e procurou pelo lugar que vinha a risada, não havia nada e a risada parou. 
No dia seguinte ele foi perguntar para seus vizinhos se eles conheciam a garota. Todos falaram "Desculpe, não.". Ele perguntou até mesmo para sua mãe assim que ela chegou em casa. Ela disse "Não.". Ele foi para o quarto, colocou a foto na cabeceira e dormiu. 
Novamente ele foi acordado pelas batidas na janela. Ele pegou a foto e seguiu as risadinhas. Ele saiu desceu as escadas, saiu de casa pela porta e foi atravessar a rua quando de repende foi atingido por um carro. Ele estava morto com a foto em suas mãos. 
O motorista do carro saiu e tentou ajudar, mas era tarde demais. Derrepente o motorista vê uma fotografia e a pega. 
Ele vê uma linda garota com três dedos levantados.
**********************************
Olhos Vermelhos
Quando está no caminho para seu quarto, ele nota que de frente para o seu, há um quarto sem marcação (número). Com curiosidade ele olha pela fechadura do quarto e vê uma mulher extremamente pálida de costas para a porta, olhando para a janela. Sem nada estranhar ele vai dormir. No outro dia ele acorda e resolve olhar de novo, e tudo que vê é vermelho. Ele logo pensa "provavelmente a mulher notou que eu estava olhando e colocou algo vermelho para bloquear a fechadura. Depois, não aguentando a curiosidade, ele, quando já está saindo do hotel, pergunta à garota que fica no balcão: 

"Quem é aquela mulher do quarto à frente do meu?"

A garota olha surpresa, e responde:

"Naquele quarto, uma vez, ficou uma família. O pai assassinou a mulher e os filhos, se matando depois. E a característica mais marcante era que eles tinham todo o corpo branco, exceto pelos olhos que eram vermelhos."

***********************************
Estátua de Palhaço
A alguns anos atrás, uma mãe e um pai decidiram tirar um descanço, então eles sairam para jantar na cidade. Eles chamaram sua babá de mais confiança. Quando a babá chegou, as duas crianças já estavam durmindo. Então a babá se sentou perto delas e verificou se tudo estava bem. Mais tarde nessa noite ela ficou com tédio e foi ver TV, mas ela não conseguiu ver na sala porque não havia TV a cabo (os pais não queriam que as crianças ficassem vendo lixos na TV). Então ela ligou para os pais e perguntou se ela poderia ver TV no quarto de casal. Obviamente, os pais permitiram, mas a babá tinha um pedido final.... ela perguntou se poderia cobrir a estátua do palhaço que estava no quarto das crianças com alguma toalha ou cobertor, porque ele a deixava nervosa. O telefone ficou em silência por um momento, e o pai que estava no telefone com a babá falou, "..Leve as crianças para fora de casa agora... nós estamos chamando a polícia. Não temos nenhuma estátua de palhaço." 
A polícia achou os três corpos dos ocupantes da casa mortos depois de cinco minutos da chama. 
Nenhuma estátua foi encontrada.

*****************************
Vudú
Um garoto de mentalidade irrequieta, assim era Jairo. Seus 13 anos pareciam ter sido dedicados à caça de problemas. Na vizinhança, na escola, todos o conheciam e ao pressentirem sua presença preparavam-se: algo com certeza ia ocorrer. Uma característica, no entanto, contrastava com a grande atividade mostrada pelo garoto: era fanático por livros, na linguagem dos amigos, um “rato” de biblioteca. Realmente era capaz de ficar horas folheando velhos manuais de reconhecimento de borboletas, enormes Atlas antigos ou qualquer coisa que chamasse sua atenção. Era um verdadeiro alívio para os pais saberem que Jairo havia ido para biblioteca. 
O que ninguém havia percebido, no entanto, é que muitas de suas idéias com as piores conseqüências havia saído justamente daquele amontoado de saber. Chegara a montar um para-raio improvisado no barracão do quintal, utilizando velhas pontas de ferro. E, por incrível que possa parecer, o projeto funcionou. Isto é, ao menos metade, pois Jairo esquecera o aterramento. Havia sido pura sorte que durante a tempestade, alguns dias depois não houvesse alguém no local, literalmente destruído. 
Agora Jairo tinha achado algo mais interessante, que fugia de qualquer ciência: um livro, na verdade um maço de folhas a cerca do vudú caribenho. Imergiu naquele mundo de zumbis e bonecos que representavam pessoas. Fantasiou a possibilidade de ser realmente verdade. Não cogitou por muito tempo; partiu para a prática. Hábil, costurou dois bonecos. Conforme o livro os mesmos deveriam ter algo da pessoa a quem representariam. Conseguiu uma mecha de cabelo da irmã, enquanto ela dormia, e terminou o primeiro boneco. Enquanto dava os retoques no segundo boneco, pensava na segunda vítima. Distraído, acabou perfurando o dedo com a agulha e resolveu terminar por então. Testaria o boneco já pronto, e se não funcionasse ,deixaria o risco de transformar sua mão em almofada para agulhas. Recitou as preces do livro e foi procurar Marina, a irmã mais velha que tanto implicava com ele. 
Escondido, pegou a enorme agulha e tocou a perna do boneco; a irmã imediatamente olhou para a própria perna, assustada. Jairo percebeu, e enfiou a agulha, fazendo com que a moça gritasse de dor. A mãe acudiu, mas não encontrava nada que pudesse causar tanta dor a filha. Jairo segurava-se para não rir. Na verdade ficara um tanto assustado, pois ,realmente, não queria machucá-la. Mas a imaginar que poderia usar o segundo boneco para representar o namorado de Marina e trabalhar com os dois juntos, não conseguia conter o riso.
 Saindo de seu esconderijo, sentiu uma forte fisgada no braço, como se um prego tivesse ali entrado. Nada havia. Na perna uma dor ainda mais forte. Era como se estivesse sendo dilacerado. Seu corpo começava a sacudir ,sem controle. A mãe e a irmã ficaram estáticas, chocadas. Jairo consegue ainda raciocinar e corre para o quarto. Era o outro boneco. Tinha seu sangue, do ferimento da agulha. O boneco que sobrara, era ele. Mais não havia mais tempo. Nero, seu pastor alemão havia descoberto o brinquedo e o destroçava, sem perceber seu dono partindo-se a cada dentada


Bem, vou encerrar o post por aqui. Apesar de eu morrer de medo dessas coisas (e acreditar em grande maioria) eu acabei me empolgando... ¬¬
Acho que vou fazer uma segunda parte, isso só para compensar o péssimo post de halloween que fiz aqui no blog. O que acham?
Bem, nos vemos na segunda parte da Creepypasta! Kissu >.<

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente o que quiser sobre o post ou sobre o blog, mas atenção às regras:

-Comentários só com "seguindo, segue por favor" e/ou "aceita parceria/afiliação" ou qualquer coisa do gênero não serão considerados;
-Xingamentos, palavrões, ofensas ou qualquer tipo de agressão comigo, com o blog ou com os demais nekos estão proibidos!
-Desafios/tags/memes são aceitos, assim como sugestões de posts

(◡﹏◡) (⊙﹏⊙) (◕﹏◕) (◕‿◕) (◡‿◡) (◡︿◡) (´◡ω◡`)
(´◕ω◕`) (´⊙ω⊙`) (´◠ω◠`) (◠ω◠) (●ω●) (●︿●)
ಥ⌣ಥ ಠ_ಠ ( ̄。 ̄)~zzz (″・ิ_・ิ)っ ♪(*ノ・ω・)ノ♫ ∑(゜Д゜;) (ノ◕ヮ◕)ノ
(╯°□°)╯︵ ┻━┻ (ノಠ益ಠ)ノ彡┻━┻
┬──┬ ノ( ゜-゜ノ)